Diminuir tamanho da fonteAumentar tamanho da fonte

Quilombo Rio dos Macacos: Artesãs se reúnem para fortalecimento da produção

04 de março de 2018
IMG_20180301_165122453_HDR(1)

Palhas, sementes, conchas e linhas se transformam em bolsas, brincos, pulseiras, cestos e arranjos pelas mãos das mulheres que produzem artesanato no Quilombo Rio Dos Macacos. O grupo, que conta com cerca de 15 mulheres adultas e jovens, se reuniu na quinta (1/3) para partilhar os talento e as história das artesãs e pensar estratégias de fortalecimento da produção.

O encontro foi marcado pela musicalidade de Meire Luce Reis,  agente pastoral do Conselho Pastoral dos Pescadores na Bahia (CPP-Bahia) , pelas composições de dona Biu, moradora da comunidade, e  a dança circular de Ione Santos. O espaço foi de intensa troca de vivência das mulheres. “ Eu faço colar de bamboo, óleo de dendê, chá com as folhas e xarope. Eu conheço algumas ervas que foram passadas pra minha mãe e minha avó, com meu pai aprendi a fazer balaio”, partilhou dona Olinda, moradora de Rio dos Macacos.

O momento integra as atividades do projeto Comunidade de Rio dos Macacos: Construindo Caminhos de Incidência e Autonomia, que objetiva fortalecer a organização das famílias, quanto ao seu processo produtivo e sua incidência política, estimulando sobretudo o protagonismo das mulheres da comunidade. Dentre as ações previstas estão a realização de oficinas de produção, finanças solidárias, gestão e comercialização. A iniciativa está sendo desenvolvida em parceria com a Cáritas Brasileira Regional Nordeste 3 e apoio da Cáritas Alemã.

Quilombo Rio dos Macacos – Localizada entre os municípios de Salvador e Simões Filho, na Bahia, a área é cenário da luta pela terra e pela garantia e efetivação de políticas públicas de acesso à água e inclusão sócio produtiva, além de direitos básicos, tendo em vista que  a comunidade está em conflito pela garantia do seu território e pelo acesso ao Rio dos Macacos que garantiria água de qualidade para suas atividades produtivas, bem como, a manutenção das rotinas cotidiana de sobrevivência. O conflito foi iniciado na década de 50, quando a Marinha ocupou as terras quilombolas, e foi alvo de audiência pública na última quarta (28/02).

Por Morgana Damásio – Assessoria de Comunicação Cáritas Brasileira Regional Nordeste 3

Comentários

comentários

Seja um Doador

Somos Nordeste 3 – Somos Cáritas

Faça parte dessa rede
Faça parte desta Rede

Redes Sociais

Prestação de Contas

Cáritas Notícias

Cadastre-se e receba por e-mail nossos informativos.

Contato

Cáritas Regional Nordeste 3
Rua Emília Couto, Nº 270 B - Brotas
CEP 40.285-030


Salvador/Bahia
+55 (71) 3357-1667

caritasne3@caritas.org.br